terça-feira, 17 de outubro de 2017

Curtas: companions de Downton Abbey e Sherlock

Portanto, há uns tempos atrás andava a precisar de espreitar as coisas que tinha aqui em casa sobre Sherlock (já escrevo sobre isso), mas ao mesmo tempo achei que podia pegar também nos livros que ainda tinha por ler de Downton Abbey, já que não pego em nada relacionado com a série há que tempos. (E pronto, ver a série duma ponta à outra neste momento é impraticável.)

O primeiro livrinho é escrito como se fosse o Mr. Carson a escrevê-lo e a passá-lo aos outros criados de Downton Abbey: é um livro de regras sobre o que é o âmbito de cada criado em termos de tarefas (e tem um bónus sobre formas de tratamento e precedência entre títulos nobiliárquicos). É giro e antástico porque é detalhado, e permite-nos um maior respeito pela quantidade de coisas que estas pessoas tinham de fazer, e de se lembrar, e como tinham de se comportar.

O segundo livro é claramente aquilo a que se chama um coffee table book, como os anteriores da série: lindo, profusamente ilustrado com dezenas de fotos com boa qualidade (no geral, uma ou outra é capaz de não ter a resolução necessária) - só por isso vale a pena.

A mais valia deste livro também se prende com o facto de ter os capítulos divididos em meses, e em cada "mês" abordar um tema da vida em Downton Abbey. Sinto que é, dos vários livros dedicados à série que já me passaram pelas mãos, aquele que é mais útil e mais bem pesquisado e conseguido.

É incrivelmente compreensivo, falando de temas como a época de caça, as debutantes, a season londrina, as quintas que suportavam a casa, as crianças, o viajar, o estar em casa, o receber visitantes... são abordados aspectos como estes, e descritos nas suas dimensões sociais e práticas, de forma a vermos como seria a vida nesta época para uma família como os Crawley. É daqueles livros que me fez sentir que aprendi com ele.

Tenta relacionar com o que vimos no ecrã acontecer aos personagens, e faz imensas referências à série e ao enredo até à temporada 4 (a 5 estaria a começar no lançamento do livro), e faz destaques a vários intervenientes na produção da série.

E sobretudo, teve o condão de me fazer perceber quantas saudades tenho de ver Downton Abbey. Era soberbamente escrita, focada nesta família, escrita como se eles fossem da nossa família, sem heróis nem vilões (bem, talvez a Vera Bates, e o Julian Fellowes, quando decidiu escrever o fim da temporada 3 como a escreveu), só pessoas com virtudes e defeitos.

Permitia-nos andar nos sapatos de toda a gente e compreendê-los; raios, até do Thomas tenho saudades. Não tinha juízo nenhum, mas sempre o achei um dos melhores personagens porque a sua personalidade fazia tanto sentido nas circunstâncias em que vivia e existia. Downton Abbey era escrito e produzido com amor e detalhe, e notava-se, e isso não tem preço.

Sherlock Chronicles, Steve Tribe
O que nos leva a Sherlock. Ah, como eu tenho saudades das primeiras duas temporadas. E até da espera antes da terceira. E até partes da terceira. E digo isto porque vi recentemente a quarta, e raios, terminei-a dividida entre pensar que os escritores ou são incrivelmente idiotas, ou são demasiado inteligentes para o seu próprio bem, e nesse caso, a este ponto do campeonato deviam estar a revelar mais do jogo, sob pena de ficarmos a pensar que são a opção número um.

De qualquer modo... depois de ver a dita cuja fiquei tão frustrada, porque sinto uma espécie de dissonância cognitiva, entre aquilo que vi tomado sem intepretação, e aquilo que eu acho que vi, interpretado à enésima, que atribui a este pessoal intenções que eu não sei se tinham, porque não temos provas suficientes para isso.

Como cereja no topo do bolo, a temporada termina duma maneira que serviria como final da série, se não tiverem oportunidade para mais, o que é horrível, porque sinto que há tanta coisa por explicar que seria como se a J.K. Rowling tivesse morrido ao fim do sexto livro e nós nunca tivéssemos lido o final da história do Harry e da derrota de Voldemort.

Felizmente, não preciso de pensar nisso durante mais dois ou três anos. Yay?

Focando-me nos livros: achei-os muito parecidos: o primeiro dedicado às temporadas 1 e 2, o segundo livro a essas duas, mais à terceira; cada capítulo que têm dedica-se a explorar um episódio, e por vezes usam as mesmas entrevistas com os actores e o texto é igual ou semelhante. O Casebook tem apenas a particularidade de pelo meio dos capítulos fingir que é o livro de casos do Watson, com post-its trocados entre o Sherlock e o John, a comentar os casos. (Esta parte é gira.)

O Chronicles é um pouco mais aprofundado, no entanto, falando do enredo de cada episódio, como se filmou, apresentando os actores novos da série no episódio em que aparecem, comentando o impacto de cada episódio... é profusamente ilustrado e a parte de design destes livros deixa-me sempre maravilhada. Em adição, contém parte onde contrapõe o argumento da série às histórias em que se basearam, o que é muito engraçado. E adorei ver como se lembraram da ideia do texto no ecrã.

Uma boa edição, muito completa, enche o olho visualmente, e tem uma coisa curiosa, no fim do livro tem a lista do elenco e equipa para cada episódio.

Sem comentários:

Publicar um comentário