segunda-feira, 11 de julho de 2016

Curtas: Graphic Novels da Marvel, vols. 11 a 14

Novos Vingadores: Evasão, Brian Michael Bendis, David Finch
Hmmm. Isto até é interessante. Depois de um evento que levou ao término dos Vingadores como equipa, uma série de indivíduos com poderes acaba a lutar em conjunto numa ilha-prisão em que há uma fuga; a formação de uma nova equipa de Vingadores perfila-se no horizonte com os eventos da história.

Achei a história muito interessante pelos seus elementos, a maneira como a equipa se junta (pobre Homem-Aranha, finalmente nos Vingadores, e não há remuneração para o azarado), mas também porque o ritmo de enredo é muito envolvente, tudo se desenrola como um misto de um filme de acção e mistério, e gostei bastante de seguir a evolução da narrativa.

Como disse, gostei bastante dos elementos introduzidos na história, de coisas do universo Marvel que foram trazidas para aqui; contudo, não sou fã do final do volume, fica muito em aberto. O que faz sentido se considerarmos a natureza episódica da história, mas para quem lê em livro é algo desconcertante.

Quarteto Fantástico: Além da Imaginação, Mark Waid, Mike Wieringo, Casey Jones
Outro volume bastante bem escolhido para esta colecção, creio eu. Gostei mesmo de como o Quarteto foi apresentado. Normalmente não costumo ler muito estes personagens, e não tem havido nada que me atraísse para eles; mas este volume consegue-o, creio eu.

O que me atraiu na história é esta mistura de drama e momentos de fasquia alta, de unidade familiar e resistência à adversidade, de exploração e aventura. Fez-me entender melhor o que os fãs vêm neste conjunto de personagens.

Os dois capítulos finais mostram o pós, o que acontece depois de uma aventura tão traumática para a família. E é de partir o coração. O personagem no centro é o Franklin, aquele que mais obviamente sofreu com os acontecimentos da narrativa, mas é possível ver como todos estão abalados. É um pedacinho da história mais calmo, mais focado no desenvolvimento dos personagens, e foi uma delícia de ler.

Ultimate Homem-Aranha: Poder e Responsabilidade, Brian Michael Bendis, Mark Bagley
Esta é uma história que já conhecia. Coleccionei os números isolados que foram saindo com um jornal há anos, até ao número 20 do Homem-Aranha versão Ultimate.

Há que reconhecer, a história é muito boa a pegar nos temas e fios narrativos do original, e adaptá-los a um mundo moderno. E os pequenos detalhes são bem giros de observar. Dá a sensação que estes são mesmo miúdos do século XXI (bem, talvez com alguns ligeiríssimos exageros, mas aceitáveis).

Narrativamente, a história corre muito bem, bastante interessante, e gosto de ver este Peter a lidar com os dilemas normais da adolescência, no meio do drama que deriva de lidar com os seus novos poderes. Há um humor e uma dinâmica que me agradam na narrativa.

A minha queixa prende-se com o facto de que tudo isto já está... batido? Seria mais interessante para mim dantes. Agora já lidei com um milhão de histórias de origem para o personagem, e começo a ficar aborrecida. Há uma série de coisas giras para fazer com o Peter para além disso.

Marvel Zombies, Robert Kirkman, Sean Phillips
Beeeem, seria de esperar que uma premissa tão fixe e intrigante resultasse numa história igualmente fascinante. A realidade? Eh, nem por isso. Zombies no mundo Marvel é brilhante, ver os nossos heróis a lidar com os problemas de serem zombies é perturbador, e não no bom sentido.

É que o livro deixou-me enjoada. E eu li um pedaço dele ao almoço, por isso não é enjoada de vomitar o almoço. É mais moralmente enjoada. Acho que nunca vou recuperar de ver estes personagens obcecados em comer os não-zombies que sobraram, incluíndo alguns dos seus antigos aliados, outros super-heróis.

Além disso, a noção de o mundo ter sido perdido para os zombies é algo traumatizante. Assim como a noção da refeição final que vemos no livro, e as suas consequências.

Tendo dito isto, a nível intelectual alguns elementos da história são positivamente intrigantes. A questão da fome constante, da necessidade de continuar a alimentar o monstro, e ainda assim manter o intelecto e as capacidades que se tinha. Um dilema interessante, e com momentos engraçados. (Again, o Homem-Aranha. Convenhamos, é sempre o Aranha a dar piada às coisas.)

Sem comentários:

Publicar um comentário