domingo, 4 de janeiro de 2015

2014: os livros do ano

Todos os anos destaco alguns livros como aqueles de que mais gostei no ano, e este ano que passou não é excepção: vou listar favoritos e menos favoritos. No primeiro caso vou dividi-los provavelmente por género, e forma literária num par de casos, e sou bem capaz de listar menções honrosas, porque sou incapaz de fazer listas pequenas. São os livros que mais me agradaram durante o ano e que mais marcaram, ao ponto de me recordar muito bem deles, e de a leitura da respectiva opinião evocar aquilo que senti na leitura do livro.

Já no caso dos menos favoritos, vou listar uns poucos títulos, não muitos, porque sei escolher o que leio ao ponto de ter uma ideia sobre se me vai agradar, mas por vezes o meu radar falha, e escapam-se uns poucos que dão comigo em doida. Serão portanto aqueles livros que me desiludiram, por me terem dado uma ideia e expectativas diferentes do que veio a ser a realidade, ou aqueles livros que foram tão mauzinhos que me enervaram durante a leitura. A lista pode ser um pouco longa, especialmente por causa das imagens.

Os Favoritos de 2014

Autora Revelação
Vou fazer um destaque à Rainbow Rowell porque a) ela merece, b) li os livros todos dela este ano, c) "cada tiro cada melro", ela conseguiu com que eu adorasse todos os seus livros e d) são enganadoramente simples mas muito bons.

Ficção Contemporânea
O género mais lido, algo que nunca teria sonhado há alguns anos, e que me trouxe muito boas surpresas.

Uma verdadeira caixinha de surpresas, que é melhor apreciada se nada soubermos sobre ela. Mas vale a pena desembrulhar as suas várias camadas.

Uma história algo diferente das anteriores da autora, mas igualmente deliciosa, gostei muito da sua mensagem, e dos protagonistas.

Every Breath, Ellie Marney
Não quero ser injusta para com todos os outros livros, mas este quase que é O Livro, porque meses depois, ainda estou meio obcecada com ele. É enganadoramente simples, mas a Ellie Marney consegue escrever duma maneira realista, subtil, e que me foi ao coração e mo roubou.

Entre o Agora e o Nunca, J.A. Redmerski
Este foi nomeado pelo factor viciante. Li-o duma assentada, e houve algo fascinante naquela road trip e na maneira como a autora a escreveu e aos personagens, e em como fez desenrolar a história.

Um Caso Perdido, Colleen Hoover
Outro bastante viciante, mas está aqui pelo modo emocional e intenso como a autora escreve, e em como conseguiu escrever uma história com duas fases tão diferentes, e que se interligam tão bem.

Menções Honrosas: Quando Aqui Estavas, Daisy Whitney; Looking for Alaska + The Fault in Our Stars, John Green; O Projeto Rosie, Graeme Simsion; O Espetacular Momento Presente, Tim Tharp; Poisoned Apples, Christine Heppermann; Unteachable, Leah Raeder; A Todos os Rapazes que Amei, Jenny Han; All Broke Down, Cora Carmack

Ficção Histórica
Um género que me encanta explorar, e que considerei englobar todas as histórias com um fundo histórico vívido e realista.

Scarlet, Lady Thief, A.C. Gaughen
Este é O Destaque no género, porque é uma outra série em que estou mesmo investida, e porque ao escrever a opinião do Lady Thief há uns dias, qualquer coisa como 10 meses depois da leitura, ainda assim consegui evocar tudo o que o livro me fez sentir, e renovou o amor que eu tenho a estes personagens e a esta história.

Menções Honrosas: Sonhos de Papel, Ruta Sepetys; Prisoner of Night and Fog, Anne Blankman; Transformar-se em Maria Antonieta, Juliet Grey

Ficção Científica
Aqui englobo tanto os melhores da distopia/pós-apocalípticos, como de ficção científica mais tradicional, e um que vou considerar FC por apresentar acontecimentos que ainda não são da nossa realidade científica.

These Broken Stars, Amie Kaufman e Meagan Spooner
Combina uma série de coisas diferentes num todo fabuloso, cativante, e que nos faz estar com aqueles personagens naquele momento, a passar por aqueles eventos.

Vou ficar tão feliz quando a sequela e livro final desta série sair este ano, porque a autora conseguiu que eu ficasse tão investida na história dos protagonistas, e tenho mesmo de saber o que vai acontecer-lhes.

Cress, Marissa Meyer
A Marissa Meyer é a minha rainha, porque escreveu três livros na série com três protagonistas diferentes, e fez-me adorar todas; para além de conseguir gerir brilhantemente neste volume uma série de POVs crescentes, e ainda me fazer torcer por toda a gente - menos a vilã, claro.

A 5ª Vaga, Rick Yancey
Esta história é um pouco louca, mas viciante, e foi tão bom acompanhar os vários protagonistas, e ver como as suas histórias se entrelaçavam e encontravam; e melhor, ver a humanidade nas últimas, e como isso a condiciona.

O Marciano, Andy Weir
Quem diria que ler sobre um tipo a falar sozinho, preso em Marte, sem hipótese de salvamento, fosse tão divertido? Foi um livro que puxou por mim nas explicações científicas, o que eu gostei de ver, e o protagonista tem uma atitude tão fantástica durante toda a sua história que é uma delícia ler o livro.

Menções Honrosas: Pivot Point, Kasie West; Prodigy, Champion, Marie Lu; A Long, Long Sleep, Anna Sheehan

Fantástico
O género do meu coração, e aquele em que me foi mais difícil fazer uma lista curta, em virtude de tantos finais e inícios de séries tão bons.


Acho que o que mais me fascinou na história é o modo como reflecte no facto das pessoas classificarem tão facilmente em "bom" e "mau", sem nuances, sem tentar compreender e conhecer, sem se tentarem livrar dos preconceitos.

Esta é a série que me tem deixado com o coração nas mãos nos últimos anos, no bom sentido. The Assassin's Blade é uma colecção de novelas que encaixam tão bem umas com as outras que quase parece um livro, e Heir of Fire foi o livro mais duro, mais emocional e mais belo da série até agora, se bem que imagino que não vá aquecer o lugar por muito tempo, afinal o quarto livro da saga sai já em Setembro (previsivelmente).

The Winner's Curse, Marie Rutkoski
Viciante no modo como os acontecimentos se sucedem, torturante pelas escolhas que impõe aos protagonistas, emocional pelo equilíbrio precário que os opõe, e uma reflexão bastante interessante sobre povos invasores e invadidos, e o que acontece quando chocam.

Empower, Jessica Shirvington
Uma autora que escreve de modo bastante emocional, que me atrai, e que tem torturado tanto a sua protagonista que passei o tempo todo com um sorriso nos lábios por este ser o livro final e previsivelmente dar à pobre Violet um muito merecido final feliz.

City of Heavenly Fire, Cassandra Clare
Outro final, só para me torturar mais um pouco, com tanto drama e tragédia à mistura, mas que fecha a série bastante bem e abre as portas para o próximo capítulo neste mundo... foi excitante ver os personagens principais lutar mesmo quando a derrota era certa, e esforçar-se para fazerem do seu um mundo melhor.

Ruin and Rising, Leigh Bardugo
Ainda mais outro final torturante, colocou os personagens em lugares muito difíceis, duríssimos mesmo, e ainda conseguiu surpreender-me com o final que a autora escolheu.

Esperem aí, a Laini Taylor é que é a minha rainha, porque escreve tão bem que até os anjos choram (heh), e porque não acredita em facilitar as coisas para os seus personagens, e reservou ainda na manga uma série de surpresas e belos momentos para o livro final da trilogia.

Winterspell, Claire Legrand
Gostei tanto da maneira como a autora desenvolveu este mundo, da evolução que deu à protagonista, e do que isso significa. Uma adaptação dum conto/ballet/filme/sei lá mais o quê sombria e surpreendente, mas encantadora.

Menções Honrosas: O Oceano no Fim do Caminho, Neil Gaiman; A Voz, Juliet Marillier; Mortal Heart, Robin LaFevers

Ficção Curta (contos, novelas e antologias)
Nesta parte vou limitar-me a destacar algumas das narrativas que mais me agradaram neste formato.

Banda Desenhada
Aqui também vou limitar-me a destacar alguns dos livros que mais apreciei durante o ano.

As Desilusões de 2014

Alienated, Melissa Landers
Achei que ia gostar muito mais do que o que correspondeu à verdade - foi uma leitura morna, nem me aqueceu, nem me arrefeceu.

Trilogia Birthmarked da Caragh M. O'Brien - aqui, aqui, aqui e aqui
Aqui considero uma desilusão no sentido em que para uma autora e uma história com tanto a dizer sobre os temas que aborda, e com boas ideias, acaba por ser relativamente fraquinha no desenvolvimento do enredo, de certas partes da história, e dos personagens.

Este não é uma desilusão na história, no tema abordado, ou no todo do livro em si, mas mais pela sensação que ou eu beneficiaria mais dele como leitora se o tivesse lido quando era mais nova, ou o livro devia ser para uma faixa etária mais velha e abordar os seus temas de forma mais aprofundada.

Os Pilares do Mundo, Anne Bishop
Eu sei que és capaz de melhor, Anne. Eu sei. E nem sequer tens a desculpa de ser o teu primeiro livro, porque não é.

Uma Semana para Te Amar, Monica Murphy
Este livro é tão curtinho, mas com uma premissa tão boa, que eu tenho a certeza que seria um livro fabuloso, com uma melhor escritora.

Os Ódios de 2014

Eu costumo dizer que ódio é uma palavra muito forte, mas estes livros realmente incitam uma reacção muito forte em mim, e positiva não é.

White Hot Kiss, Stone Cold Touch, Jennifer L. Armentrout
Eu gosto bastante desta autora, e divirto-me imenso a ler os livros dela, mas o segundo livro desta trilogia foi tão mau, tão horrível, que contagiu o primeiro. Porque se a trilogia tivesse sido melhor planeada, se o segundo livro não se tivesse enterrado no triângulo amoroso do demo, e a heroína não virasse burra, e o livro tivesse de facto algum enredo de jeito, esta era uma história bem melhor no todo, tenho a certeza.

Aqui é mais amor-ódio. Eu abomino a maneira como o James Dashner escreve e detesto grande parte dos livros - mas preciso, preciso mesmo, de saber como acaba. E também preciso de ganhar coragem para pegar no terceiro e último livro, por essa mesma razão.

A Revelação, Lissa Price
Achei o primeiro livro muito morno, mas este, céus, que desastre. A heroína emburrece, o desenvolvimento de enredo sofrível do primeiro livro desaparece por completo, e se há alguma coisa neste acidente de percurso que faça sentido, não a encontrei.

-----/-----

E pronto, acho que é tudo. (E já é muito, ehehe.) Espero que 2015 me traga mais dos favoritos, e menos das desilusões e ódios - é tudo o que peço, boas leituras e um tempo bem passado.

13 comentários:

  1. Rainbow, Marissa, e Laini: as rainhas de 2014 \o/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bem, elas realmente rulam muito. xD ^_^

      Eliminar
  2. Tu fazes isto tão bem minha querida que apetece pegar em todos eles. Acho que só não vou engordar a minha wish porque ela já está a rebentar pelas costuras mas... quando puder (ainda não posso mas está quase quase) venho namorar este post com atenção e aposto que tiro mais um coelho da cartola.
    Adorei!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ehehehe obrigada. :D Se for preciso, faço uma lista dos melhores dos melhores, para não assustarmos a tua wishlist assim muito duma vez. :P

      Eliminar
  3. O meu 2015 começou com a Rainbow, Fangirl. Não podia ter gostado mais <3

    Li o Quando Éramos Mentirosos o ano passado também. Só queria que mais pessoas o lessem. Não há palavras para aquele final.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É um óptimo começo! Muito auspicioso. ^_^

      Pois é, fiquei com a sensação que o livro teve menos destaque do que merecia, é tão bom. E aquele final! Manteve-me no escuro o tempo todo, tinha um palpite bastante mais modesto do que o que realmente aconteceu. ;)

      Boas leituras!

      Eliminar
  4. Como disse Elphaba, realmente dá vontade de ter todos os que ainda não tenho. Já li alguns e compartilho da tua opinião. Outros estão à espera. E outros como disse quero ter. Não sou fã de ficção, fantasia e banda desenha. Pelo menos as sinopses não me cativam.
    Adorei esta publicação. 👍
    Obrigada pela partilha. 😄
    Próspero 2015!
    📚

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada! Espero que seja possível vir a encontrar mais algumas destas leituras e deliciar-se com elas. ;) Bom 2015 e boas leituras! :D

      Eliminar
  5. Muito boas leituras, mas também para quem leu quase 200 livros, não é de admirar. O.O
    Ora agora deixaste-me com vontade de pegar em mais livros. Não dá!
    Confesso que só li um livro da Rainbow Rowell (Fangirl) e não gostei. Não me conquistou.
    Por outro lado concordo com a tua opinião de "Cress" e acredito que estejas tão ansiosa pelo lançamento do "Fairest" como eu. :)
    Um bom ano novo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muahahah, é o meu objectivo nada-secreto, se já puser alguém a ler - e quem sabe, gostar de - algum destes livros, já fico contente. :D

      Oh, nem todos podemos gostar do mesmo, ler passa por isso mesmo, encontrar coisas que nos cativam, e outras que não. Espero que 2014 tenha mesmo assim sido um ano em que encontraste coisas giras. ;)

      Estou na dúvida sobre o Fairest, para dizer a verdade. Por um lado, gosto da ideia de ler mais alguma coisa neste mundo, mas por outro, tenho receio. Tem havido uma espécie de moda de histórias sobre os vilões, que às vezes os tentam desculpabilizar, da qual não sou tão fã assim. Espero que a Marissa não caia no erro. :S

      Bom ano e boas leituras. ^_^

      Eliminar
  6. Tens aqui uma óptima selecção de livros e ainda não li a maior parte... Bom ano novo e votos de boas leituras :)

    beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada! Espero que possas vir a ter a oportunidade de ler alguns destes. ^_^

      Bom ano e boas leituras. ;)

      Eliminar
  7. O teu 2014 em termos de leituras foi muito bom..
    Em comum temos a Rainbow Rowell.. também li todos e gostei também de todos.. :D
    Da tua lista há alguns livros que eu quero muito ler este ano..
    beijinhos e boas leituras..

    ResponderEliminar