sábado, 16 de janeiro de 2016

O Que Vemos Quando Lemos, Peter Mendelsund


Opinião: Que livrinho adorável e fascinante. Eh, digo livrinho quando isto tem quase 450 páginas, mas a verdade é que é de leitura rápida, dado o seu design único. Peter Mendelsund apresenta uma série de capítulos sobre o acto de ler, quase como ensaios livremente relacionados, criando uma peça de arte que vale a pena ter na mãos.

Vê-se que o autor é director de arte numa editora, porque o design do livro é irreprensível. Tão bonito de observar, com montagens de imagens e trabalho de caligrafia que dão gosto de observar. E melhor ainda, conseguiu-se fazer tudo a preto e branco, o que é simpático. Um livro a cores seria possivelmente mais caro, e o autor consegue trabalhar bem as duas cores em sua vantagem. Folhear o livro enche o olho.

E gostava de destacar que apreciei muito as ideias apresentadas. É uma sensação estranha, a de tentar descrever o acto de ler, e muitas das ideias do autor vão de encontro ao que penso. Gosto dos argumentos sobre como imaginamos personagens e cenários (ou não), como conjuramos imagens ou não, como imaginamos acções e conceitos. O autor aborda como a imaginação guia a leitura, em vários aspectos e sentidos, e faz bons argumentos nesses pontos.

Acho que este é um livro que é um sonho para qualquer pessoa que goste de ler, simplesmente porque reflecte sobre o acto de ler, e mesmo ao leitor inveterado vai fazer pensar sobre esta acção que lhe é tão querida. Recomendaria a qualquer leitor.

Título original: What We See When We Read (2014)

Páginas: 448

Editora: Elsinore (Grupo 20|20)

Tradução: Rute Mota

Sem comentários:

Publicar um comentário