segunda-feira, 16 de setembro de 2013

The Bone Season, Samantha Shannon


Opinião: É estranho observar o burburinho que se gera à volta de certos livros. Aquilo que se diz, os direitos para filme já comprados antes da publicação, as comparações, blá blá blá. Cada vez mais tento manter-me longe desse tipo de coisa que só gera entropia, criando expectativas que podem não corresponder à realidade. O que seria uma pena, levando-me a perder histórias que me poderiam agradar.

Isto tudo para dizer que podem ignorar a comparação deste livro à J.K. Rowling, porque não tem sentido nenhum, à parte este livro ser parte duma saga que terá 7 livros. E ser fantasia (mais ou menos). Vale a pena tomar alguma atenção à coisa da adaptação a filme. Acho que o livro é capaz de se tornar num filme visualmente fantástico, se bem feito. O resto do burburinho... bem, é a editora a tentar vender o livro, há que dar um desconto. O que quero dizer é... parece-me que mais vale a pena julgar por nós próprios, ver se gostamos ou não.

The Bone Season é um livro complicado de descrever, e talvez isso seja parte da razão por que gostei dele. Passado no futuro, numa Londres alternativa, mas com elementos fantásticos e paranormais, apresenta-nos um mundo em que existem humanos capazes de aceder ao aether, a dimensão onde param os mortos, e interagir com o mesmo - os clairvoyants (ou voyants). A protagonista, Paige, é uma voyant, e numa Londres dominada pela Scion, a sociedade que proíbe e abomina a existência dos voyants, ela vive sob a protecção do Sindicato, o equivalente à Máfia dos voyants, que ganham a vida com os seus poderes.

Este é um livro em partes iguais complexo e incompleto, fascinante e insuficiente para me satisfazer a curiosidade. Adorei o mundo que a autora apresenta, a existência dos voyants, a sua existência numa sociedade que os odeia, e diverti-me imenso a ler quando ela começa a complicar as coisas, a apresentar várias categorias de voyants, a mostrar outra faceta deste mundo (Oxford/Sheol I e a existência dos Rephaim), e como isso se relaciona com o mundo que a Paige sempre conheceu.

A autora tem aqui um mundo complicado, mas parte da piada é deslindar as coisas que ela apresenta, nem sempre todas duma vez. É capaz de haver ali um bocadinho de info-dump na maneira como ela apresenta a informação, mas pelo menos fê-lo duma maneira que não me incomodou, e que me deixou embrenhada na história. Mas senti sempre a falta de qualquer coisa, como se a autora estivesse a fazer caixinha, e tivesse pedaços de informação que estavam mesmo ali ao virar da esquina para ser revelados. Ainda agora, que acabei o livro, há uma série de coisas das quais eu suspeito, e que ela deve ter guardado para o segundo livro (e seguintes), e estou para aqui a morrer de curiosidade acerca delas. Quero MAIS.

Gostei da Paige, é uma heroína capaz, mas com os seus defeitos, e por isso com espaço para crescer. Agradou-me vê-la em Sheol, o que a pôs fora do seu elemento e a enfrentar desafios novos. E fiquei muito interessada nas relações que ela tem com as pessoas à sua volta, antes e depois de Sheol. O Nick, pelo qual eu até estava mais ou menos a torcer, mas que agora quero esganar por ter partido o coração à Paige daquela maneira, ainda que inadvertidamente. O Jaxon, chefe do grupinho mafioso de voyants a que a Paige pertence, e que tem uma visão singular dos mesmos. O resto do grupinho mafioso - mal posso esperar para os conhecer melhor.

As pessoas de Sheol são igualmente fascinantes. Primeiro os Rephaim em geral, seres intocáveis e frios, fiquei muito curiosa acerca dos seus motivos e decisões. Especialmente no que toca a fundar um sítio como Sheol. Depois a sociedade que se gera em Sheol por influência dos Rephaim. E, em particular, gostei de conhecer o grupo de "amigos", se é que lhes posso chamar assim, que a Paige faz. E estou positivamente intrigada acerca do Arcturus. A relação dele e da Paige é de mestre e aluno, mas com alguns aspectos que a tornam singular, e desequilibram o balanço existente entre estes dois papéis. No fim as coisas evoluem duma maneira deliciosa, e que fez um certo sentido, mas gostava que tivesse havido mais pistas para chegarmos a isso.

O enredo tem os seus momentos de acção (e que momentos), mas também momentos mais parados, alturas em que as coisas parecem evoluir a passo de caracol. Se bem que posso dizer que nunca me aborreci a ler a história, por isso pelo menos a autora consegue cativar o leitor.

Em suma, diria que é um primeiro livro impressionante, especialmente vindo duma autora tão nova. Tem arestas para limar, sim, mas tem uma complexidade, técnica e vivacidade que me agradou. Fiquei fascinada com o mundo de Scion e Sheol, e estou mortinha para lá voltar.

Páginas: 480

Editora: Bloomsbury

3 comentários:

  1. Sou capaz de ler quando sair em pt...se a Leya fizer uma forte publicidade, isto é capaz de vender como pipocas! Mesmo assim fiquei muito entusiasmada com a tua opinião, que levo sempre em conta. :)

    Ah e quando o ler também vou livre de comparações!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fazes bem. As comparações por vezes estragam-nos as expectativas para um livro. :/

      Bem, espero mesmo que façam bastante destaque ao livro, porque até é uma história bem gira; e tendo em conta o interesse que o livro gerou antes da publicação, podiam tentar usar isso no marketing do livro aqui em Portugal. :) Espero que gostes, quando tiveres oportunidade de o ler. ;)

      Eliminar
  2. Gifts are the perfect communicators for all the emotions that your heart holds for your loved ones. Your gifts enable them to recall the golden times spent together. After all, in all the occasions, you are the only one they look for first, and your gift supplements that. Visit www.gifts2germany.com
    for a mesmerizing gift experience.

    ResponderEliminar