sábado, 8 de fevereiro de 2014

Sailor Moon Short Stories, Codename: Sailor V, Naoko Takeuchi

E depois de ter lido a série principal de Sailor Moon, decidi lançar-me nos livros "secundários" à história, nomeadamente os dois volumes das Short Stories e os dois volumes de Codename: Sailor V - este segue o percurso da Minako como Sailor Venus no ano anterior a conhecer as outras guardiãs.

São uns volumes engraçados. Gostei particularmente das Short Stories, que apresentaram umas histórias engraçadas e bem humoradas, e mostraram novas facetas das Sailors, mas o Codename: Sailor V também foi muito esclarecedor e interessante ao estabelecer a vida da personagem como Sailor antes das outras raparigas sequer sonharem com o seu papel como guardiãs. Em suma, pareceram-me boas adições à minha colecção e ao conjunto de histórias neste mundo das Navegantes.
Vou separar os comentários por histórias, pois parece-me a melhor maneira de poder abordá-las em condições.

Chibi-Usa's Picture Diary (Vol. 1)
Composta por três histórias mais pequenas, Beware of the Transfer Student, Beware of Tanabata, e Beware of Cavities. A primeira adorei, porque vampiros! em Sailor Moon, e é tão inesperado de ver que acaba por ser giro. Quero dizer, a autora faz os vampiros à sua maneira, e é um conceito bem integrado e enraizado neste seu mundo... acabando por ser uma pequena história de terror bem boa.

A segunda história acaba por não ser muito memorável, mas a terceira é deliciosamente fabulosa. É sobre as cáries que a Usagi e a Chibi-Usa apanham por comer muitos doces, e acabar por ser ao mesmo tempo informativa, e super divertida ao usar os conceitos dos doces e das cáries para criar o "monstro" que as duas têm de derrotar.

Exam Battle Stories (Vol. 1)
De novo três curtas histórias, The Melancholy of Mako-chan, Ami-chan's First Love, e Rei's and Minako's Girls School Battle. Focam-se nas quatro guardiãs, e exploram um pouco certos aspectos das suas personalidades. A primeira história no desejo da Mako de ter uma casa e uma família, pois são o que lhe foi roubado cedo demais. A segunda história é sobre a Ami e a sua paixão pelo estudo e o seu desejo de se superar e de ser a melhor. A terceira é basicamente sobre a Mina e a Rei a meterem-se em sarilhos, mas também sobre a inatingibilidade da Rei e os sentimentos de inadequação da Mina em relação a ela.

The Secret Hammer Price Hall (Vol. 1)
Uma historinha curta, e sem muita consequência, mas que teve alguns conceitos engraçados, como o das miúdas viciadas em marcas.

Princess Kaguya's Lover (Vol. 2)
Uma história com a Luna (sim, A gata, não O gato, como nos fizeram acreditar com a dobragem portuguesa... obrigada por me estragarem a infância, pessoas que fizeram a dobragem), e baseada num conto tradicional japonês que inspirou em parte os conceitos principais de Sailor Moon. Gosto da história por ser tão focada na Luna, por nos permitir vê-la em forma humana, e por ter uma história de amor e amizade bem bonita. Além disso, a história tem o bónus de pôr todas as Senshi, Outer e Inner, a trabalhar juntas.

Casa Blanca Memory (Vol. 2)
Adoro, adoro, adoro esta história. É a minha favorita do conjunto. Explica tão bem o carácter e a personalidade de alguém como a Rei, e ajuda a entender o porquê das suas acções e opiniões tornadas explícitas durante os livros principais. Apreciei conhecer não só os seus desgostos, mas também a sua posição na vida em relação a uma série de aspectos, posição essa que transmite uma certa maturidade e firmeza de carácter pouco usuais para alguém tão jovem.

Parallel Sailor Moon (Vol. 2)
Pronto, esta é a segunda favorita. Uma história muito curtinha, mas muito divertida sobre um mundo paralelo que decorre alguns anos após o fim da série principal. Apresenta-nos as filhas de todas as guardiãs, e que grupinho adorável. Diverti-me imenso a descobrir os paralelos entre mães e filhas, e a observar a dinâmica entre as meninas.
Não sei muito bem como comentar estes dois volumes. Codename: Sailor V é claramente um protótipo para Sailor Moon, usando o primeiro conceitos e formas de narrar que aparecem no segundo. Portanto, creio que vai ser uma opinião resumida, comparando-os e destacando coisas que apreciei nestes dois volumes.

Para já, estes livros seguem o esquema habitual: aparece uma novidade na escola -> está um monstro por trás dela -> Minako descobre-o -> enfrenta o monstro e derrota-o. Cada capítulo é muito formulaico, seguindo quase sempre esse esquema. Depois, a Mina é na verdade muito parecida com a Usagi: ambas preguiçosas, comilonas, más alunas, boas pessoas, curiosas, defensoras dos fracos e oprimidos. Mas os defeitos da Mina fizeram-me pensar no porquê de ela ser supostamente a líder das guardiãs. Sempre achei que a Rei encaixava melhor no perfil.

Há uma série de personagens que são parecidíssimas em ambos os livros. O caixa-de-óculos-cujo-nome-eu-nunca-me-lembro. O Artemis aqui irrita-se tanto com a Mina como a Luna com a Usagi. A melhor amiga da Mina, Hikaru, parece um clone da Ami tão bom que eu achava estar a ver mesmo a Ami. Há algumas diferenças na maneira como a Naoko as desenha, mas são subtis.

De todos os capítulos, acho que só vou destacar aquele em que a Mina conhece a mangaka que desenha e escreve o seu manga favorito, porque é um pouco meta e acaba por ser algo autobiográfico e autoreferencial no que toca à vida e trabalho de um mangaka. Tenho a certeza que a autora se divertiu a desenhar e escrever estas partes. E o manga que a autora deste capítulo está a criar é totalmente uma referência a Sailor Moon e às Navegantes, algo que me divertiu.

Outro pormenor que achei interessante e gostaria de destacar é o Phantom Ace, o equivalente ao Tuxedo Mask aqui nestes volumes, mas com um percurso e uma história diferentes. O que eu gostei mais foi como o Ace tinha ligação à reencarnação passada da Mina como Princess Venus, e gostei imenso de descobrir mais um bocadinho sobre esse passado.

----------

Ah, uma nota final, que se pode aplicar na verdade a todos os livros editados pela Kodansha desta autora - aprecio as notas de tradução, a sério. Mas
a) têm que mencionar as páginas certas, não duas páginas antes ou depois de onde realmente aparecem as referências;
b) deviam ser melhor usadas, porque há tantas referências que o(s) tradutor(es) não explicou(aram)... não é só para explicar as referências que vos apetecem, caramba;
c) a sério, colocar as notas de tradução que faltam na página da internet da Kodansha é preguiçoso... se não tinham espaço, basta meter mais páginas nesse livro (era o Short Stories Vol. 1, que até era fininho), e preencham-nas com arte da Naoko sobre Sailor Moon, que eu agradeço muito.

Sem comentários:

Publicar um comentário