quinta-feira, 27 de abril de 2017

A Bela e o Monstro (novelização), Elizabeth Rudnick


Opinião: Não é muito habitual ler novelizações de filmes - que me recorde, na minha vida de leitora só lhes peguei aqui e ali, para filmes que tivesse apreciado bastante e quisesse revisitar no meio meio de entretenimento favorito.

Portanto, sim, este é um desses casos. O conto original é um favorito, a versão animada da Disney é uma favorita, o filme live-action recente é um favorito. Estava destinada a ler isto e a adorar e divertir-me durante a leitura, para matar saudades da história. (Ainda que me soubesse a pouco.)

O primeiro reparo que tenho a fazer é que me parece que isto deve ter sido escrito durante a produção do filme, baseado apenas no argumento. Digo isto porque o texto não coordena perfeitamente com o filme nos detalhes visuais - coisas que seriam determinadas na produção e pós-produção -, e que no texto são descritas de forma ligeiramente diferente.

Em adição, alguma caracterização de personagens é diferente. O exemplo óbvio são o Gaston e o Le Fou, que no filme têm uma "leitura" diferente da conhecida, largamente devido ao trabalho dos actores e das indicações da realização que tiveram; neste livro, a descrição deles aproxima-se mais do filme animado. (E não é a minha coisa favorita. Gosto mesmo do que fizeram com eles no filme.)

Em adição, reparei agora que a página de título menciona o nome desta autora como a adaptadora, e menciona o nome dos argumentistas. Portanto, sim, parece que tenho razão.

Outra coisa curiosa a apontar é o facto de ler partes do diálogo do livro e "ouvir" o correspondente em inglês, por estar familiarizada nessa língua (via banda sonora), o que foi bastante divertido. (E boas notícias para a tradução: não tive razões de queixa nesse aspecto.)

Quanto ao livro valer por si mesmo - bem, suponho que posso dizer que o faz. É detalhado o suficiente, e explora um pouco mais certos pormenores que se calhar o filme não teve oportunidade de abordar. (Particularmente na caracterização e nas circunstâncias passadas.) Não é que não estejam no filme, e que o espectador atento não seja capaz de os deduzir, mas aqui estão mais explícitos, e alguns aspectos são mesmo novos, o que é um bónus.

No entanto, é um livro que tem 200 páginas. Para quem está habituado a calhamaços, posso dizer que talvez este seja um bocadinho "básico". Como é suporte para outro meio de entretenimento, não tem a necessidade de ser tão completo como podia ser. (E por isso, se fosse um livro isolado, falharia um nada como narrativa complexa.) Podia ser mais preenchido, e eu adoraria isso. Adoraria mais detalhe, mais descrição. Nem que seja como pura indulgência de passar mais tempo neste mundo.

De qualquer modo, satisfaz o desejo de rever o filme. (Já que o raio do DVD não tem data de lançamento à vista e eu não posso justificar ir ao cinema pagar o raio dum bilhete outra vez.) Encantei-me com o mesmo, e cresci com a história, que me está próxima do coração, e por isso a leitura foi bastante boa. Apenas há que manter as expectativas no lugar certo quanto ao tipo de livro que se tem nas mãos.

Título original: Beauty and the Beast (2017)

Páginas: 208

Editora: Dom Quixote

Tradução: Luís Serrão

Sem comentários:

Publicar um comentário