quinta-feira, 10 de outubro de 2013

Across a Star-Swept Sea, Diana Peterfreund


Opinião: Com For Darkness Shows the Stars, Diana Peterfreund conseguiu fazer várias coisas ao mesmo tempo. Recontar um dos meus livros favoritos, cativar-me com os seus personagens e fascinar-me com o mundo pós-apocalíptico que criou. Neste livro, expande esse mundo e apresenta-lo sob uma nova perspectiva que muito me agradou. Não conhecia o livro em que se inspira (The Scarlet Pimpernel), mas nem por isso deixei de me divertir a ler Across a Star-Swept Sea.

A protagonista, Persis Blake, é uma jovem aristocrata de Albion, uma de duas ilhas de New Pacifica. À superfície, é apenas mais uma socialite oca e mimada, mais interessada em roupas que na situação política explosiva do seu país. Mas na verdade, ela tomou a identidade de Wild Poppy, um espião misterioso que resgata presos políticos de Galatea, a outra ilha de New Pacifica.

Devo confessar que adorei este aspecto da narrativa. Primeiro, porque a autora recriou as circunstâncias da Revolução Francesa duma maneira deliciosa nesta parte do seu mundo. Galatea teve recentemente uma revolução contra o poder aristocrata, e o resultado é uma onda vingativa contra todos os membros da classe, tenham eles feito por merecê-lo ou não.

E foi tremendamente interessante ler sobre como as pessoas nesta parte do mundo têm uma percepção um pouco diferente do que aconteceu no passado (o evento apocalíptico) em relação à sociedade de For Darkness Shows the Stars. Como é diferente o tipo de sociedade que se desenvolveu em New Pacifica, e como as pessoas têm uma relação diferente com a Reduction. Nuns aspectos mais avançada, noutros mais atrasada, gostei de explorar New Pacifica.

Em segundo, porque adorei a Persis e todo o enredo de ela criar um engano elaborado para convencer as pessoas de que era uma aristocrata tontinha, e assim não desconfiarem de que era o Wild Poppy. Ver a dualidade de percepções das pessoas sobre ela... Os pais sabiam da miúda inteligente e engenhosa que era, e achavam que a fase tontinha era só isso, uma fase. Os amigos mais próximos sabiam que a tontinha era uma fraude, e participavam nas missões Wild Poppy. E todos os outros viam a socialite frívola que ela tentava passar. Achei-a muito corajosa por se lançar num empreendimento destes, tão jovem e decidida a corrigir aquilo que via que estava mal no seu mundo.

E isso leva-me ao protagonista masculino, o Justen. É um personagem interessante. Não se destaca exactamente, não tem um fundo moral forte o suficiente para o levar a agir o mais depressa possível quando vê algo que está mal, e vê-se numa posição de inacção durante uma parte da narrativa devido às suas opções passadas. Mas é um óptimo contraponto à Persis. Nem todos podem ser os heróis da história, e ele tem qualidades suficientes para se tornar num parceiro adequado para a Persis. É inteligente, por isso não haveria um desequlíbrio intelectual entre ambos, está decidido a fazer a coisa certa, e mesmo não sendo uma pessoa de acção arrisca-se para ajudar a Persis.

A relação deles é algo divertida de ver desenvolver-se. Tem uma certa pitada de Orgulho e Preconceito, por causa da faceta que envolve as impressões e percepções que temos das pessoas. O Justen passa grande parte da história preso à imagem da socialite frívola, mas ao mesmo tempo a Persis mostra o suficiente do verdadeiro eu dela para o deixar confuso e intrigado, e eventualmente atraído por ela. E a Persis não consegue controlar o quanto mostra das suas duas facetas para manter o engano da tontinha frívola. Ela é tão óbvia às vezes que o Justen até parece palerma por não perceber mais cedo. Contudo, a cena em que ele, mais os pais dela, percebem ao mesmo tempo a identidade do Wild Poppy... sem preço. Especialmente quando vão pedir satisfações à princesa Isla, melhor amiga da Persis, e que sabia claro do enredo todo.

Fora isto, amei quando certos personagens do livro anterior aparecem neste. Dá para ver um certo casal a, bem, agir como casal (tão fofinhos!), e são um contraponto engraçado à Persis e ao Justen. Dá para ver uma certa personagem convencida a continuar a ser teimosa que nem uma mula. E dá para ver uma certa personagem a ser igual a ela própria, e a fascinar e intrigar as pessoas em New Pacifica (só ela).

Em suma, este é um livro um pouco diferente do For Darkness Shows the Stars, mas igualmente satisfatório. A autora conseguiu expandir o seu mundo, criar uma nova sociedade com o mesmo passado comum, e contar uma história absolutamente cativante e doseada com acção e intriga. Por favor, por favor, por favoooor, que ela escreva mais um livro nesta série.

Páginas: 464

Editora: Balzer + Bray (HarperCollins)

4 comentários:

  1. Sinto-me tentada, mas ainda tenho de ler o For Darkness Shows the Stars

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ohhh, por favor, cede à tentação. :P Ou pelo menos faz um favor a ti própria e lê o For Darkness Shows the Stars, que é lindo. *.* Pleeeease? :D

      Eliminar
    2. Sim! até já o tenho, só ainda não lhe peguei *shame*

      Eliminar
  2. Send Flowers to India as you make orders through www.indiafloristnetwork.com that comes with lots of impressive gifts along with beautiful bouquets. The charm of love is best displayed through the wonderful and colorful flowers. Emotions will be best narrated with the beautiful flowers.

    ResponderEliminar