domingo, 26 de agosto de 2012

Colecção Heróis Marvel #5, #6 e #7: Homem-Aranha e Os Vingadores

Homem-Aranha - A Morte dos Stacy reúne, como o título indica, as histórias que contam a morte do Capitão Stacy e da sua filha, Gwen Stacy - história que nunca havia lido, apesar de conhecer o conteúdo (é tão icónica que era preciso ser eremita para não a conhecer).

A história sobre o Capitão Stacy tem três partes e tem como vilão o Dr. Octopus (que consegue sair da prisão com uma premissa completamente ridícula); o Homem-Aranha enfrenta-o, mas tem dificuldades em derrotá-lo, e na confusão da batalha o Capitão Stacy dá a vida para salvar uma criança. Um ponto interessante da história são as palavras finais do Capitão Stacy para o Peter, que ressoam num diálogo semelhante presente no reboot filme recente do herói.

A segunda história do livro chama-se Morte e Destino e foi escrita e desenhada anos mais tarde. Descreve a perseguição implacável do Homem-Aranha ao Dr. Octopus, e em como o Peter encontra paz após os eventos da história anterior.

A terceira história cobre o momento trágico da morte da Gwen e as suas consequências. É um momento tão significativo na definição do Homem-Aranha que continua a ter histórias dedicadas a este ainda hoje. Percebe-se porquê. A Gwen é vítima da sua associação com o Peter, sem o saber, e de um acaso estúpido (e de uma coisa tão ridícula como a Física) - é o tipo de momento que muda tudo e não deixa voltar atrás. É bom que a incluírem-no num próximo filme do super-herói seja brilhantemente executado. Bónus para o momento em que o Homem-Aranha enfrenta o Duende Verde - o resultado final terá sido a inspiração para o primeiro filme da série.

Vingadores - Confiança Mundial é sobre um acontecimento misterioso, que "engoliu" as cidades capitais por todo o mundo. As Nações Unidas viram-se para a equipa de super-heróis e pede-lhe para liderar o mundo até a crise ser resolvida.

Confesso que não conheço muito dos Vingadores, a não ser talvez os membros mais proeminentes. Dos outros membros não conheço o suficiente para gostar, ou então conheço e tenho razões para não gostar. Mas a ideia de uma super-equipa de super-heróis, capacitada para lidar com ameaças muito fora do normal, é cativante. E a noção de todo o mundo recorrer e confiar neles é bem interessante. Há neste volume uma segunda história, sobre o Visão, um dos membros dos Vingadores, e a sua génese.

Vingadores - Zona Vermelha agradou-me muito porque é uma saga que ocupa todo o livro, sem ser necessário preencher o livro com mais alguma história, e que me soube a mais completa. Depois dos acontecimentos de Confiança Mundial, mansão dos Vingadores é reconhecida como território soberano e os super-heróis como diplomatas.

Curiosamente, a primeira crise que têm de enfrentar ocorre em território americano e põe à prova cada membro da equipa, enquanto se debatem com uma "praga" vermelha que alastra rapidamente e mata todos os que entram em contacto com a mesma. O fantasma das armas biológicas é explorado nesta história, com direito a um inimigo antigo da equipa no papel de terrorista. Bónus: uma aparição do presidente dos EUA à data (Bush).

Sem comentários:

Publicar um comentário